A JSD Tomar no XXVº Congresso Nacional da JSD

Começou hoje na Póvoa de Varzim o XXVº Congresso Nacional da JSD. A JSD Tomar está representada pelos delegados Catarina Ferreira,Ricardo Carlos e Filipe Gomes, pelo convidado Duarte Joaquim, e o ainda Vice-Presidente da JSD Nacional Tiago Carrão.

Programa do XXVº Congresso Nacional da JSD

Sexta-feira, 13 de Abril

16:00h – Início da credenciação dos Congressistas
21:00h – Sessão de Abertura dos Trabalhos do Congresso
22:00h – Apreciação do Relatório de Atividades da Comissão Política Nacional do mandato 2016-2018

Sábado, 14 de Abril

10:00h – Apresentação, discussão e votação das Propostas Políticas Sectoriais e Propostas de Alteração Estatutária
19:00h – Apresentação e discussão das Moções de Estratégia Global para o mandato 2018-2020

Domingo, 15 de Abril

08:00h – 11:30h – Eleição dos Órgãos Nacionais da JSD
12:15h – Sessão de encerramento dos trabalhos do Congresso e tomada de posse dos Órgãos Eleitos
para 2018-2020.

O programa pode ser alterado a qualquer momento por decisão do congresso.

 

Acompanha o que está a acontecer

 

Dia 1 – 13 de Abril:

Balanço do último mandato

Em dia de CMJ em Tomar, a JSD Tomar teve de se dividir para conseguir cumprir todas as suas responsabilidades. Chegámos à Póvoa de Varzim já pela 23:00 do dia 14 de Abril. Não obstante foi uma noite muito longa que se estendeu até ás 05:00.

Esta noite foi dedicada ao balanço do último mandato e os intervenientes aproveitaram para lançar uma ou outra farpa à candidatura oposta que não se ficou calada e respondeu sempre.

O delegado e Presidente da Mesa de Plenário da JSD Tomar, Ricardo Carlos, destaca das intervenções que foram feitas as intervenções da Susana Duarte, Directora Financeira da JSD, que destacou o pagamento da dívida de 80 000€ que existia na JSD Nacional durante o último mandato; de José Alfredo, Presidente da Comissão Eleitoral Independente, que termina agora a sua militância na J, exerceu sempre as suas funções com total independência e respeito pelos estatutos, e que deixa ainda uma marca em Ponte da Barca, seu concelho, onde dos 4 vereadores da Câmara Municipal, 2 são JSD; e a intervenção de Carlos Martins, Coordenador dos Autarcas JSD, que salientou o aumento sólido do número de autarcas JSD durante o último mandato, em que a JSD passou de 1 vereador (2013) para 18, de 71 autarcas (2013) para 309, podendo hoje chegar a 350 com a realização de assembleias municipais e de freguesia, e no total nas últimas eleições autárquicas a JSD teve 71 cabeças de lista.

A JSD Tomar lamenta que algumas das intervenções tenham entrado mais por uma vertente do insulto em detrimento de intervenções construtivas e de análise do mandato que agora termina, que o momento exigia. O momento de promoção das candidaturas tem hora marcada para o dia 2 do Congresso e não deveria ter acontecido no primeiro dia.

A noite terminou pelas 05:00 com a entregas de duas listas candidatas à JSD. Uma pela candidata Margarida Balseiro Lopes, Conquistar Portugal, e outra pelo candidato André Neves, É Tempo da JSD. É de salientar que a Presidente da JSD Tomar e delegada Catarina Ferreira integra a lista do companheiro André Neves como Secretária-Geral Adjunta.

 

Dia 2 – 14 de Abril:

Apresentação das Moções Sectoriais e Estatutárias

10:30 – Começamos agora a ouvir as apresentações das moções sectoriais. Podes consultá-las todas aqui.

 

11:00 – A JSD Distrital de Castelo Branco apresentou a moção intitulada “Floresta e Ordenamento do Território“. Esta moção, aplaudida de pé pela delegada e Presidente da JSD Tomar, Catarina Ferreira, defende que a JSD tome iniciativas para exigir ao Governo políticas de Ordenamento Florestal. Já no IV Congresso Distrital da JSD Santarém que decorreu em Tomar no último Dezembro, a JSD Tomar apresentou uma moção que foi aprovada e que defendia a criação de um grupo de trabalho inter-distrital para apresentar políticas florestais concretas. Consulta a moção aqui.

 

11:05 – David Estevão da JSD Cartaxo apresenta a moção política sectorial da JSD Distrital Santarém intitulada “Que rio pode ser o Tejo?“. Nesta moção a JSD Distrital de Santarém defende que a JSD Nacional deve refletir sobre como devemos gerir os nossos recursos hídricos e tomar uma posição que proteja o Tejo dos crimes ambientais que têm sido cometidos. Consulta esta moção aqui.

David Estevão apresenta a moção ao Congresso

 

11:11 – Ricardo Correia da JSD Golegã apresenta a moção “Criação de benefício fiscal para associações humanitárias de bombeiros“. Nesta moção sectorial, o Ricardo defende que as associações de bombeiros possam beneficiar de um cartão de plafond para abastecerem os seus veículos de combate a incêndios e de emergência médica possam abastecer com combustíveis mais em conta. Para o delegado por Tomar e Presidente da Mesa do Plenário Concelhio, Ricardo Carlos, que lida de perto e está a par das dificuldades que as associações de Bombeiros enfrentam quando têm de pagar o combustível que precisam durante o combate aos incêndios, esta foi uma das moções que mais lhe agradou. Consulta a moção aqui.

Ricardo Correia apresenta a moção ao Congresso

 

11:15 – Bruno Galaio da JSD Cartaxo apresenta a moção “Alargamento da Idade de Voto para os 16 anos de idade“. O Bruno Galaio traz esta moção ao Congresso Nacional para propor que a JSD Nacional promova um referendo interno pelo voto aos 16 anos a fim de escutar os militantes e definir uma posição da JSD. Consulta a moção aqui.

Bruno Galaio apresenta a moção ao Congresso

 

11:21 – Está agora a falar José Ricardo Lopes da JSD Rio Maior. O José traz ao Congresso a moção “Portugal, Corrupção e Futuro“. Esta moção pretende que a JSD tome uma atitude mais assertiva contra a corrupção. Uma luta que além de ser uma acto de boa governação, é um acto de patriotismo. Consulta a moção aqui.

José Ricardo Lopes apresenta a moção ao Congresso

 

11:26 – Bruno Matos da JSD Santarém traz a aprovação a moção “Formar para Mudar“. Esta moção pretende tirar da gaveta uma moção aprovada no último Congresso Nacional que visava a formação política dos jovens. Consulta a moção em maior detalhe aqui.

Bruno Matos apresenta a moção ao Congresso

 

12:00 – A JSD Distrital Algarve por Artur Gomes, apresentou a moção “Discutir o Futuro com os Dirigentes do Futuro“. Esta moção apresenta uma alternativa ao actual modelo eleitoral nacional e que merece uma análise pela JSD. Consulta esta proposta e constrói a tua opinião sobre esta alternativa aqui.

 

13:05 – Rafael Côrte Real apresentou a moção “+ Liberdade“. Esta moção aparece propondo que a JSD tenha uma política mais liberal. Já a primeira moção apresentada, “Menos Estado, Mais Iniciativa Privada” pelo Carlos Miranda, segue uma linha ideológica mais liberal.

 

13:10 – A JSD Regional Área Oeste apresenta uma verdadeira moção comportamental a ser seguida pelos militantes da JSD. No entender desta Regional, muitos jovens estão a deixar-se ser explorados pelas empresas em que trabalham e ficam a trabalhar horas extraordinárias sem estas serem remuneradas. Esta moção propõe que os jovens militantes da JSD tenham uma atitude comportamental na sua vida profissional contra estas explorações. Esta moção é intitulada “Jovens: Escravidão Séc. XXI“.

 

Os delegados por Tomar Ricardo Carlos e Filipe Gomes, e o convidado Duarte Joaquim a discutir as moções sectoriais

 

13:30 – Os elementos da JSD Tomar saíram para almoçar com militantes da JSD Santarém, Almeirim, Rio Maior, Ourém e Ferreira do Zêzere. A ementa, como tinha de ser, foi Francesinha e finos. Bem à beira-mar e entre conversas de política internacional. Um dos momentos altos deste Congresso.

 

16:15 – Para os militantes que já frequentam os Congressos da JSD à algum tempo já é conhecido que as moções apresentadas em Congresso são quase sempre remetidas para a gaveta, não se traduzindo numa aplicação da política pelas moções defendidas e aprovadas pelos delegados. Para exigir respeito pelas moções aprovadas pelos delegados, a JSD Distrital Algarve apresenta a moção “Cumprir – Os Delegados a um Congresso merecem mais“. Consulta esta moção aqui.

 

16:25 – Para o delegado por Tomar Filipe Gomes, a moção “Coragem de fazer o que está certo” apresentada pelo David Cristóvão da JSD Almada foi uma das moções mais interessantes apresentadas neste Congresso. É claro para qualquer cidadão que a política não tem propriamente andado de mão dada com a ética. Esta moção procura trazer para o debate na JSD esta problemática e assim trabalhar numa mudança de paradigma que traga de volta uma política eticamente responsável. O subscritor não pode deixar de se referir aos muitos delegados que apesar de terem sido eleitos, permanecem no exterior do edifício e não participam ativamente na audição da apresentação das moções. Consulta a moção aqui. O David apresentou ainda mais uma moção intitulada “Três Questões da Economia Nacional“.

 

16:45 – O delegado Ruben Bexiga da JSD Sintra trouxe ao Congresso a moção “Parcerias Externas da JSD“. Com esta moção é pretendido que a JSD promova formações entre os seus militantes para que estes estejam a par dos movimentos e políticas europeias. Consulta a moção aqui.

 

17:05 – José Marques Moreira da JSD Guarda traz a moção “Estagiário de Profissão: um país que vive de estagiários que não conseguem viver do país” ao Congresso. A questão do trabalho precário e sobre-exploração do estagiário para benefício das empresas volta a ser tema de uma moção neste Congresso. Fica claro que esta é uma das questões que mais preocupam os delegados.

 

17:27 – A questão da desertificação e do interior volta a estar em foco no Congresso. Desta vez pela JSD Concelhia de Vila Real, com a moção “Norte 2020: Argumentos para a revisão das NUTS II“, e pela JSD Distrital Viseu com a moção “(Re)vitalizar o Interior“.

 

17:55 – Listas A e J validadas para a eleição de amanhã.

 

18:30 – Início da discussão das alterações estatutárias. Foi removida a Moção Estatutária C pelo seu autor Dino Alves. Consulta-as aqui.

 

19:00 – Fala o Presidente do YEPP, Andrianos Giannou.

 

Vergonha na votação das moções

Os trabalhos nesta tarde ficaram finalizados com a votação das moções. É importante dizer que esta parte do Congresso ficou marcada por uma vergonhosa demonstração de falta de pensamento independente e crítico de grande parte dos delegados. Pela manhã poucos foram os militantes que assistiram às apresentações das moções, mas no final estiveram presentes todos os delegados. Apesar da participação afluente dos delegados ao momento de votação, este ficou marcado pela manifestação em bloco de uma ala da pavilhão após circular uma mensagem interna da candidatura “Conquistar Portugal” a pedir que fossem chumbadas moções cujos autores apoiariam a candidatura de André Neves. Isto é uma clara falta de vergonha por parte dos delegados que foram eleitos e que não votaram em plena consciência o que resultou no chumbo de uma moção que defendia exatamente o mesmo que uma moção aprovada antes, simplesmente porque era da JSD Distrital Aveiro. No entanto, o chumbo da moção “Coragem de fazer o que está certo”, uma moção que pedia mais ética dentro da JSD, ditou a saída da sala dos delegados por Tomar Catarina Ferreira e Filipe Gomes. Os dois delegados da JSD Tomar foram os únicos delegados a abandonar a sessão de votação das moções. Ambos não se reviram nesta atitude e sentiram que não havia condições no Congresso para que continuassem a votar em consciência, sabendo que a situação em nada dignifica nem a imagem da JSD, nem a credibilidade dos militantes que os elegeram e em nada contribui para a dignificação da política em Portugal. Ao abandonarem a votação, os dois delegados foram aplaudidos por alguns dos outros delegados que estavam presentes na sala, também estes indignados pela situação.

 

Jantar

O jantar foi organizado pela JSD Distrital Santarém e contou com os delegados do distrito.

 

Apresentação e debate das Propostas de Estratégia Global

No regresso aos trabalhos foram escutadas as propostas de estratégia global de ambas as candidaturas e houve oportunidade para que apoiantes de ambas as candidaturas esgrimissem argumentos contra e a favor as candidaturas. Esta sessão durou até ás 07:00 do dia seguinte. A Presidente da Comissão Política Concelhia da JSD Tomar, Catarina Ferreira, e o Presidente da Mesa Plenário Concelhio, Ricardo Carlos, não puderam deixar de intervir para exprimir no Congresso as suas opiniões. Ambos, falaram já depois das 05:00 e com muito cansaço pelas muitas horas a participar no Congresso e as poucas a dormir.

A Catarina teve de admitir ao Congresso que se sentia “envergonhada por vários momentos que aconteceram neste Congresso” e que “a função de “delegado” se esgote no acto de levantar a credencial”. Rematou para a parca audiência que se encontrava a esta hora no Congresso, que os militantes que elegeram os delegados têm direito de exigir a estes responsabilidade e seriedade na representação de todos, e lamentou que o voto dos delegados tenha sido instrumentalizado. Finalizou o seu discurso a pedir “que neste momento que uns dizem “democrático” nunca mais se repita na nossa história”. A par destas afirmações a Catarina traçou o paralelismo entre a situação que se vive na JSD Tomar, onde todos os militantes são livres de exprimir a sua opinião e onde não há manipulação de votos ou opiniões, e este Congresso. Duas realidades completamente diferentes e que mostram respectivamente o caminho que a JSD e a política em geral devem e não devem de seguir.

 

Catarina Ferreira a discursar no Congresso

 

O Ricardo iniciou o seu discurso por “realçar o trabalho e o exemplo de um militante de excelência, alguém que bem conheço e que com certeza fará muito falta. Obrigado Tiago Carrão” e assim homenageou um dos militantes da JSD Tomar que mais longe levou a representação dos militantes da cidade Templária. Esta homenagem ficou justificada por este Congresso marcar o fim da militância do Tiago Carrão na JSD e do seu mandato como Vice-Presidente da CPN da JSD. De seguida, o Ricardo não pode deixar de abordar também a questão da manipulação da opinião e sentido de voto dos delegados. Para os defensores da campanha “Conquistar Portugal”, a votação das moções foi um exemplo da democracia e liberdade em funcionamento. Mas como se soube existiu uma mensagem a circular pedindo que se chumbassem certas moções. No seu discurso o Ricardo abordou este tema e lançou dois exemplos do que é verdadeiramente liberdade, pluralidade e democracia. No primeiro disse: “Hoje ouvi falar de lealdade e de liberdade e de respeito. Por que carga de água o Rodrigo Amaro está a faltar ao respeito à sua distrital por não alinhar com o mesmo candidato?! Estamos a falar de liberdade!”, e no segundo apontou o excelente exemplo que foi o distrito de Santarém neste Congresso: “Como certamente saberão, o distrito de Santarém é peculiar, mas é nesse mesmo distrito que apesar de maior parte apoiar o André Neves, pessoas como o Filipe Brígida e o José Baptista apoiam a Margarida e ainda há pouco estivemos todos a jantar juntos na mesma mesa! Isso sim é liberdade, respeito e pluralidade!”.

 

Ricardo Carlos a discursar no Congresso

 

Ainda antes dos dois delegados por Tomar discursarem, discursou o Tiago Carrão. Para o Tiago este foi um Congresso especial. Ao terminar aqui o seu mandato como Vice-Presidente da JSD, o Tiago terminou a sua ligação à JSD que se iniciou à mais de uma década. Foi Presidente da CPC da JSD Tomar, Presidente da Distrital Santarém e Vice-Presidente da JSD Nacional. No seu discurso deixou claro que este não foi um adeus, mas sim um até já: “Despeço-me da JSD como se de família se tratasse. E à família nunca dizemos adeus, mas sim ‘Até Já’. Até já JSD!”.

 

O Tiago durante a sua despedida à JSD

 

Dia 3 – 15 de Abril:

Eleições e Encerramento

Dia de Eleições! Este foi o dia em que os delegados exprimiram a sua vontade nas urnas.

Após a apuração dos votos ficou expressa a vontade do Congresso para que Margarida Balseiro Lopes seja a próxima Presidente da Comissão Política Nacional da JSD.

Os resultados foram os seguintes (entre parêntesis os mandatos):

Lista A – Margarida Balseiro LopesLista B – André Neves
Comissão Política Nacional322265
Comissão Jurídica Nacional327 (5)259 (3)
Conselho Nacional336 (32)250 (23)
Comissão Eleitoral Independente325 (3)260 (2)
Mesa308270

A JSD Tomar, lamenta que o Congresso não tenha apoiado a candidatura que no nosso entender apresentava o melhor projecto.

Após a apresentação dos novos órgãos da JSD Nacional, coube ao Presidente do PSD, Rui Rio, discursar ao Congresso. Durante o seu discurso advertiu para a importância das juventudes partidárias e partidos na preservação e funcionamento da Democracia. E chamou a atenção ao Congresso para o papel da JSD no combate aos interesses instalados e na aplicação de reformas fundamentais para o desenvolvimento de Portugal.

 

Rui Rio durante o encerramento do XXVº Congresso Nacional da JSD

 

A vencedora deste Congresso, Margarida Balseiro Lopes, encerrou o XXV Congresso Nacional da JSD.

 

A JSD Tomar no XXVº Congresso Nacional com os delegados Catarina Ferreira, Ricardo Carlos e Filipe Gomes, o convidado Duarte Joaquim, e o Tiago Carrão, já PSD, como participante por ter sido Vice-Presidente da CPN anterior

 

A JSD Distrital Santarém no XXVº Congresso Nacional da JSD na Póvoa de Varzim

 

Os delegados por Tomar ao Congresso Nacional esperam ter representado os seus militantes com a dignidade, ética e opinião que estes desejaram aquando da eleição dos mesmos delegados.

A JSD Tomar deseja votos de sucesso aos novos órgãos da JSD Nacional hoje eleitos. E espera que no próximo Congresso as situações que em nada dignificaram este, não se repitam.

 

Consulta aqui as restantes fotografias.

0 replies

Leave a Reply

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.