Eleições Europeias

As eleições europeias permitem a cada estado membro eleger os seus representantes no Parlamento Europeu. Em cada país, são os partidos e movimentos nacionais que concorrem às eleições, mas a maioria dos deputados opta, após a eleição, por integrar partidos políticos transnacionais. O Conselho Europeu tem depois de, baseado nos resultados das eleições, nomear um candidato para o cargo de Presidente da Comissão Europeia, o órgão executivo da União Europeia.

Infelizmente, as eleições europeias têm tradicionalmente valores bastante elevados de abstenção (em 2009 a abstenção atingiu 63,2%). A abstenção é um fenómeno que tem de ser combatido a nível nacional e local, através de uma maior informação sobre a real importância do Parlamento Europeu.

Votar nas eleições europeias não é um voto “virtual”, muito pelo contrário, tem um grande impacto em Portugal e nos portugueses. Exemplo disso são os muitos projetos que só são possíveis de concretizar através de fundos europeus.

Dia 25 ficar em casa não é opção. A opção é votar e fazer ouvir a voz dos cidadãos portugueses na Europa.

Pertencer à União Europeia não é uma opção apenas com base geográfica, mas também económica, política e social. Estas eleições são a nossa oportunidade de intervir, de influenciar o rumo dos próximos cinco anos. É a oportunidade que os cidadãos têm de se fazer ouvir e de poder participar na configuração do Parlamento.

As eleições são europeias, o interesse é a Europa, é a Europa que deve ser discutida. A Europa constrói-se com cidadãos para cidadãos!

Dia 25 ficar em casa não é opção. A opção é votar e fazer ouvir a voz dos cidadãos portugueses na Europa.

Ricardo Carlos